Um levante de prisioneiro em uma prisão brasileira, alimentado pelo medo de um surto de coronavírus, viu sete guardas da prisão brevemente reféns no sábado em Manaus, uma capital do estado nas profundezas da floresta amazônica, onde os serviços públicos foram sobrecarregados pela pandemia.

As autoridades prisionais não relataram mortes e disseram que 10 guardas e cinco presos sofreram ferimentos não críticos na rebelião, que eles descreveram como uma distração de uma tentativa frustrada de fuga.

Parentes de reclusos que se reuniram do lado de fora do local disseram que os prisioneiros estavam se rebelando devido a más condições, incluindo falta de comida, energia e atenção médica. Alguns disseram que a disseminação do coronavírus em Manaus tornou suas preocupações mais urgentes.

As autoridades não responderam a perguntas sobre o medo de que o coronavírus se espalhasse na prisão. Duas outras penitenciárias no mesmo estado do Amazonas confirmaram casos do vírus, segundo autoridades prisionais locais.

Reclusos de várias nações latino-americanas se rebelaram durante a pandemia, em meio a temores de que o vírus se espalhe pelas cadeias notoriamente subfinanciadas e superlotadas da região. No final de abril, os detentos da capital argentina Buenos Aires subiram ao telhado de uma prisão e incendiaram colchões, dizendo que se recusavam a morrer enquanto estavam trancados. Nove presos morreram em um motim de prisão no Peru no início desta semana.

Na sexta-feira na Venezuela, um motim em uma prisão no estado de Portuguesa deixou pelo menos 46 pessoas mortas e 60 feridas, segundo um grupo de direitos humanos e um parlamentar da oposição.

A violência na Penitenciária de Puraquequara no Brasil ocorreu quando o surto de coronavírus sobrecarregou os serviços públicos em Manaus, que enterra vítimas em valas comuns e alerta sobre uma iminente escassez de caixões.

A rede de televisão Globonews informou que a capelania penitenciária nacional do Brasil enviou uma queixa formal ao escritório do defensor público em Manaus, alegando que até 300 presos na prisão estavam doentes, alguns com sintomas compatíveis com o coronavírus. Segundo o relatório, as autoridades negaram que houvesse casos de coronavírus dentro da prisão.

A capelania, ligada à Igreja Católica no Brasil, e as autoridades penitenciárias estaduais não responderam aos pedidos de comentários da Reuters no sábado à noite.

O escritório do defensor disse que visitou a prisão no final de março, e a queixa do capelão em relação ao coronavírus "não foi confirmada". No entanto, afirmou que a possibilidade de o coronavírus se espalhar entre a população prisional é uma preocupação e está trabalhando para levar prisioneiros vulneráveis a prisões domiciliares sempre que possível.

A violência é comum nas prisões brasileiras, que geralmente são controladas pelo crime organizado. Grupos de direitos humanos consideram as condições medievais, com escassez de alimentos e celas tão cheias que os presos às vezes não têm espaço para se deitar.

Em janeiro de 2017, quase 150 prisioneiros foram mortos enquanto gangues rivais lutavam entre si em várias prisões no norte e nordeste do Brasil. Em um incidente particularmente violento em Manaus, 57 presos foram mortos, alguns dos quais foram decapitados e jogados sobre muros da prisão.

No ano passado, mais de 50 presos foram estrangulados ou esfaqueados até a morte, enquanto gangues rivais lutavam entre si em quatro prisões distintas de Manaus.


0 Comments